﷯ folhacds 2 ANOS // 7 MARÇO 2017
CDS quer saúde mais operacional -

O Grupo Parlamentar do CDS Madeira, liderado por Rui Barreto, apresentou o Projeto de Resolução intitulado “Facilitação do acesso e visualização dos exames auxiliares de diagnóstico de utentes do Serviço Regional de Saúde por parte do SESARAM, entidades convencionadas na RAM e Serviço Nacional de Saúde”. O CDS Madeira, nomeadamente através dos seus representantes na Assembleia Legislativa Regional, tem insistido em vários pontos ligados à área da saúde, considerada como uma prioridade.

Desta feita, o CDS Madeira alerta para a incapacidade do Serviço Regional de Saúde em realizar todos os exames auxiliares de diagnóstico, nomeadamente exames de imagem, necessários e que são solicitados pelos médicos do SESARAM (Serviço de Saúde da Região Autónoma da Madeira).

 

Diz o documento submetido na ALRAM que “A gestão do processo clínico no SESARAM não permite de momento uma automática visualização desses mesmos exames, de modo que os médicos da instituição não têm acesso a estes exames no processo clínico, a não ser que os observem em cópia física, situação indesejável pois não permite o respetivo arquivo normalizado.”.

 

Outro problema do sistema prende-se com “um exame efetuado no SESARAM não pode ser visualizado no sistema comum dos hospitais públicos continentais do Serviço Nacional de Saúde bem como pelos médicos no sistema regional abrangido pela Convenção Médica da Madeira.”

O CDS Madeira, através do seu Grupo Parlamentar, menciona que “os sistemas informáticos de gestão de imagem e outros dados permitem a interface entre diferentes sistemas de arquivo de modo que é tecnicamente possível que haja uma conexão entre o Serviço Regional de Saúde e o Serviço Nacional de Saúde e entidades convencionadas, contratualizadas pela Região de modo a que os exames efetuados por cada uma delas estejam facilmente disponíveis pelas restantes.”

 

Assim, “as vantagens desta interface permitem aumentar a flexibilidade do Sistema como um todo e evitar desperdício de recursos com exames duplicados, evitando também riscos para os doentes nomeadamente com exposição a radiações adicionais quando têm que repetir os exames noutra instituição em que são atendidos.” Desta forma, o CDS Madeira refere que “os utentes madeirenses evitam perder tempo desnecessário até chegarem a um diagnóstico ou a uma reavaliação da sua situação clínica, tempo esse muitas vezes nefasto para a evolução da doença. “

 

No mesmo sentido do que a Ordem dos Médicos, através do Conselho Médico da Madeira, que já tinha solicitado a implementação de um sistema semelhante, o CDS Madeira vem recomendar “a criação de um sistema que facilite o acesso e visualização dos exames auxiliares de diagnóstico de utentes do Serviço Regional de Saúde por parte do SESARAM, entidades de saúde convencionadas na Região Autónoma da Madeira e Serviço Nacional de Saúde.”