A presidente do CDS, Assunção Cristas, está de visita a Luanda, a convite da Universidade Agostinho Neto para ser oradora na palestra “A Política e a Mulher”, realizada na Faculdade de Direito daquela universidade, onde de resto já deu aulas no curso conjunto de doutoramento com a Universidade Nova de Lisboa, perante um auditório cheio.

 

Afirmou que "mais do que nunca" Portugal e Angola podem continuar o bom relacionamento, uma vez que está ultrapassada "a situação incómoda" que existia entre os dois países, em declarações à comunicação social.

 

Em causa, estava o processo judicial que envolvia o ex-vice-presidente da República de Angola, Manuel Vicente, remetido agora pela justiça portuguesa à de Angola, conforme aspiração do Governo angolano.

 

"Eu creio que hoje, mais do que nunca, podemos continuar esse bom relacionamento, que continuou sempre a existir, os canais continuaram a existir, eu fui convidada para estar aqui na Agostinho Neto, para esta palestra, ainda antes, e aceitei ainda antes, é sinal de que as coisas estavam também a fluir", disse a presidente do CDS.

 

A líder do CDS disse ainda estar convicta de que o bom relacionamento entre os dois países, que partilham a mesma língua, em muitos casos uma mesma cultura e visões, "que se cruzaram na história", sempre existiu.

 

"As relações de Portugal e Angola foram sempre correndo bem, temos muitos portugueses em Angola e muitos angolanos em Portugal, muitos de nós inclusivamente partilhando Portugal e Angola", reforçou Cristas.

 

Com os estudantes angolanos, Assunção Cristas partilhou a experiência de Portugal da ação das mulheres na política, a forma como vê a necessidade de mais participação feminina, apesar dos ganhos já conquistados ao nível do Parlamento e no Grupo Parlamentar do partido que dirige, com 44% de representação feminina.

"Entendo que quanto mais tivermos uma representação paritária, mais a sociedade fica bem refletida naquilo que é o trabalho, a reflexão e as decisões que todos os dias se tomam em política, seja ao nível do Parlamento seja também ao nível da governação, e a propósito disso também lembrar o que têm sido as grandes batalhas e as conquistas das mulheres em várias áreas", frisou.

 

Assunção Cristas sublinhou que não é apenas na política, onde existem menos mulheres comparativamente a homens, mas também nas administrações de grandes empresas, e quando se olha para a partilha das tarefas em casa e fora de casa as mulheres são as mais sobrecarregadas.

 

"Nós, na verdade, temos uma igualdade na lei e em todos os documentos internacionais e europeus, falam da igualdade entre homens e mulheres, mas depois na prática sabemos que essa igualdade efetivamente não existe", salientou.

 

A presidente do CDS tem ainda na agenda encontros com os principais partidos políticos em Angola - Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA) e Convergência Ampla de Salvação de Angola-Coligação Eleitoral (CASA-CE).

// NACIONAL Assunção Cristas defende bom relacionamento Portugal/Angola

 

﷯ folhacds 16 MAIO 2018